Após uma baixa no preço da carne no final de 2020, os valores voltaram a subir no início do ano e não devem parar por aí. O valor de alguns cortes teve alta de 40% no mercado.

De acordo com o presidente do Sindicato das Indústrias Frigoríficas de MT (Sindifrigo), Paulo Bellincanta, um dos motivos para a alta do preço da carne bovino em 2021, é a queda da oferta de animais prontos para o abate.

“É um reflexo da economia livre, oferta e demanda, simples assim”, afirmou.

“Nos últimos anos houve um desestímulo da pecuária, não só em Mato Grosso, mas no Brasil. Os produtores foram buscando outras soluções e partiram para outras atividades, como grãos. Houve uma evasão muito grande”, continuou Paulo.

O presidente do Sindifrigo explicou ainda que não é só a ausência de animais que aumentam o preço para o consumidor final, mas uma série de fatores.

“Em 2020 tivemos um ano com um consumo enorme de carne bovina. Teve também uma exportação acelerada para outros países. São várias coisas que acabam influenciando”.

Paulo Bellincanta detalha também que a alta nos preços deve estimular mais os pecuaristas.

“Aqueles que trocaram de atividades devem voltar para a criação de gado com esses valores altos. Os preços ficam atrativos para quem produz e estimula o mercado”, avalia.

Mas projeções ainda não são muito favoráveis.

“Vamos ter um ano com bastante pressão de alta na carne. Apesar de mais gente criando gado, é algo que demora e o preço não deve baixar tão cedo”, termina.

Reportermt