Os incêndios que atingem o Pantanal mato-grossense há cerca de dois meses já atingiram uma área de quase um terço de todo bioma no Estado. Isso corresponde a cerca de 1,7 milhão de hectares. Os dados são do período de janeiro até o dia 17 de setembro e são resultado de análise técnica realizada pelo Instituto Centro de Vida (ICV) com base em dados da Global Emissions Fires Database, da Nasa.
Um dos fatores que levaram à situação atual foi a seca severa no bioma, que fez com que o rio Paraguai atingisse o nível mais baixo desde os anos 1960. A condição está diretamente relacionada aos altos níveis de desmatamento na Amazônia. É o que explica Vinícius Silgueiro, coordenador do Núcleo de Inteligência Territorial do ICV.

“Estudos apontam que, com a aceleração do desmatamento da Amazônia, o período de chuvas tem encurtado e as secas se tornaram mais severas nas regiões central e sudeste do país”, afirma o engenheiro florestal. “O desmatamento afeta o fenômeno conhecido como rios voadores, no qual a umidade da floresta origina uma grande coluna de água, transportada pela América do Sul.”

Dos estados da Amazônia Legal, Mato Grosso também figura como segundo que mais desmata a floresta amazônica em território brasileiro. Entre agosto de 2019 e julho de 2020, foram registrados 1.880 km² de áreas com alertas de desmatamento no estado, uma área maior que o município de São Paulo.

Em geral, o uso do fogo está relacionado com a limpeza dos terrenos para pastagem após o corte raso da vegetação ou para renovação da pastagem. Com a seca, o fogo nas áreas onde foi utilizado para fins agropecuários fugiu de controle e os incêndios tomaram grandes proporções.

Uma nota técnica do ICV mostrou que nove pontos de calor nos primeiros 50 dias do período proibitivo foram responsáveis por atingir cerca de 324 mil hectares no Pantanal. Destes, cinco ocorreram em imóveis rurais cadastrados no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Em Mato Grosso, o bioma Pantanal tem 72% de sua área ocupada pelos 3.260 mil imóveis privados inscritos no CAR, dos quais 13% contam com área acima de 1.500 hectares. “Dado interessante é que, dessas grandes, existem 32 que tem área acima de 20 mil hectares e que sozinhas ocupam 32% do Pantanal. Todas essas fazendas têm a criação extensiva de gado como principal atividade”, afirma Vinícius.

Uma causa apontada pelo especialista para o descontrole no número das queimadas neste ano é a sensação de impunidade de quem faz uso do fogo de maneira ilegal.

A prática é proibida durante a época de estiagem, quando a vegetação está mais vulnerável e eleva os riscos de incêndios florestais, e é punida pela Lei de Crimes Ambientais (9.605/98) que prevê pena de um a quatro anos de reclusão.

De 1º de janeiro até o dia 14 de setembro, as multas aplicadas pelo Ibama por infrações relacionadas à vegetação – como desmatamento e queimadas ilegais –caíram 22% em 2020 em relação ao mesmo período do ano anterior. Em Mato Grosso, foram registradas 173 autuações relacionadas à vegetação neste ano, uma redução de 52% em relação ao mesmo período de 2019, com 361. O levantamento foi realizado pela BBC News.

Olhar Direto