Os rumores de que o Partido Democrata (DEM) estaria articulando o nome do presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), José Eduardo Botelho para figurar como candidato do partido na sucessão municipal em Cuiabá tem deixado alguns dos filiados veteranos da agremiação incomodados.

Não bastassem os outros contratempos provocados pela crise do novo “Coronavírus”, a credibilidade no meio político, desgaste de gestores públicos no combate ao “Covid-19”, desgaste de uma eleição atípica, agora surge a ciumeira por parte de alguns políticos, correligionários, tudo por causa da “noiva da vez“, deputado estadual do Partido Democrata (DEM), e presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (AL/MT), José Eduardo Botelho.

Um dos problemas que o Blog do Valdemir identificou é a quantidade de candidatos na possível chapa encabeçada por Eduardo Botelho, é muita gente.

Outro problema na sigla dos Democratas é a crise de ansiedade. Dividido entre Palácio Paiaguas e Palácio Dante de Oliveira (Assembleia Legislativa). Os Democratas de Cuiabá vivem a sua maior expectativa, após 20 anos longe do comando da Prefeitura de Cuiabá e não tem nenhum vereador na Câmara Municipal de Cuiabá para representar a sigla diante da população.

A tensão é grande, o clima de ciumeira é de se espantar. Haja “Lexotam”.

Entendam o que está acontecendo nos bastidores da política cuiabana nas últimas 48 horas. Desde que o nome de Eduardo Botelho surgiu como uma das alternativas do Partido do DEM para disputar a cadeira numero 1 da Prefeitura de Cuiabá, se instalou se uma “onda” de leva e trás, uma demissão de um aliado dos Campos, já se instalam racha, e por aí vai…

Mas como nossa reportagem quando entra nos acontecimentos, trás a causa e o causador do blá…blá…blá.

Neste domingo conversamos com um militante e membro do diretório estadual do DEM, e o mesmo afirmou:

“Servidor público pode ser demitido. Não existe contrato entre governo e partido em que não pode haver demissão. Mas saiba que é ao contrário“, disse um militante democrático.

Agora vamos lá: não é demissão, que leva os irmãos Campos a se opor a um governo, saibam que os Democratas tem a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), saibam que neste final de semana Jayme Campos e Mauro Mendes se falaram por bom tempo no telefone e o assunto foi momento que Mato Grosso vem passando.

Então sendo assim o Blog do Valdemir afirma e reafirma: o que existe são fortes indícios de ciumeira, por conta da “noiva da vez“, Eduardo Botelho.

De acordo com levantamento da nossa reportagem, o sentimento de dá por conta por conta de que cada um sabe de sua parcela de participação na gestão Mauro Mendes.

“Não existe racha no DEM, o que está havendo é uma crise de ciumeira“, diz nossa fonte.

Eita… começou as plantações

Em ano eleitoral todos os “pingos” viram interpretações, conforme o que lhe interessa, algumas lógicas e muitas infundadas. Mas, vamos pensar um pouquinho. O DEM tem um Senador da Republica, comanda o Palácio Paiaguas, tem tudo para ganhar a Prefeitura da Capital, no qual muitos eram, muitos desistiram, o que resta: ciumeiras, plantações, preocupações.

Oras amigos internautas, ninguém faz nada sozinho, a eleição de Mauro Mendes para governo não foi por acaso, foi com fruto de trabalho dos Democratas, de homens e mulheres liderados pelos irmãos Jayme e Júlio Campos e pelo direcionamento e experiência de cada um.

O que está acontecendo nos bastidores dos Democratas é que aliados ligados a grupo de Mauro Mendes e Jayme Campos, estão surpresos como está caminhando as eleições de Cuiabá, está caindo nas mãos dos Democratas, sem fazer esforço e, a articulação de Eduardo Botelho e a desenvoltura que transita muito bem entre os demais partidos.

O que existe de verdade é que não haverá racha, senão vejamos e convenhamos.

O presidente do Diretório Municipal de Cuiabá é Alberto Machado, o “Beto Dois a Um” é ligado ao parlamentar estadual e presidente da Casa de LeisJosé Eduardo Botelho.

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso é ligado a família Campos e cada dia que se passa, ganha a confiabilidade e respeito do Palácio Paiaguas, devido a sua articulação nas matérias do Executivo.

Hei não existe racha existe ciumeira.

Racha? Como assim?

Não existe racha, no partido é ciumeira, a pior coisa é ciúme de homem. Quem faz a verdadeira política mato-grossense, sabe muito bem como a família Campos faz política. Não é com perdas e sim com objetivos, assim caminha a família Campos na política.

Nota da redação

Não se assustem a tensão e o estresse que vão dominar as negociações para a escolha dos principais protagonistas, coadjuvantes e figurantes da possível eleição 2020.

Todos serão contaminados pelo vírus da ansiedade pré-nominata, pouco importa a colaboração partidária. Vai ser um barata voa.

Fonte:https://www.blogdovaldemir.com.br/politica/eduardo-botelho-nesta-crise-vira-noiva-da-vez-e-desperta-a-ciumeira-no-dem/