Diante da ação do fechamento do garimpo, o senhor Antônio Vieira da Silva, que representa o sindicato dos garimpeiros (SINDMINÉRIO), que solicitou direito de resposta na rádio Navegantes FM, diante do impasse da desocupação do garimpo, onde o mesmo não concorda com a retirada das pessoas que foram retiradas somente com roupas e objetos pessoais, onde somente quem tinha veículos dentro do garimpo puderam retirar alguma coisa, sendo que a ordem é para destruir tudo que ficou dentro do garimpo, inclusive maquinários.

O representante do sindicato ressaltou que há informações que dois garimpeiros foram mortos em um possível confronto com o BOPE, porém a preocupação maior é com o destino das pessoas que não tem para onde ir, sendo que a cidade de Aripuanã foi beneficiada com a existência do garimpo, que trouxe fomentos para o comércio local aumentando a arrecadação do município, onde segundo a visão do representante do sindicato, é possível continuar com as atividades garimpeiras em parceria com a empresa NEXA que é a dona do subsolo do município, fato que impede a legalização do garimpo.

Segundo informações do representante do sindicato, existem aproximadamente três mil pessoas trabalhando no garimpo e serão colocadas na rua sem destinos, sendo que seria viável adentrar no garimpo com caminhões para retirar objetos e maquinários a fim de que o prejuízo seja um pouco menor, porém a polícia não mostra disposição em negociar, o que causará um impacto na questão social do município onde pessoas poderão montar acampamentos em frente à prefeitura e em outros pontos da cidade, onde os mesmos pretende sair em harmonia, porém necessitam fazer a retirada dos bens materiais de dentro do garimpo.