A deputada estadual, Janaína Riva (MDB), discursou para os servidores públicos que ocuparam o Plenário da Assembleia Legislativa de Mato Grosso e afirmou que sem a presença deles na Casa de Leis, eles não seriam ouvidos. Além disto, citou a diferença no tratamento com os funcionários de outros Poderes, que recebem todos os benefícios e não tem de conviver com os atrasos de salários.
 
“Sem vocês aqui, vocês sabem que a nossa força teria sido muito pouca. Agora há pouco me mandaram uma mensagem dizendo que os servidores públicos tinham invadido a Assembleia Legislativa, mas ninguém invade o que é seu. Essa casa é do povo. Aqui não tem vândalos, depredadores. Temos pessoas sérias, comprometidas, que estão trabalhando sem receber salário”, discursou a deputada, enquanto era aplaudida pelos presentes.
 
Depois, Janaína explicou que se reuniu com o Fórum Sindical e pediu que seja feita uma reunião, da qual também deve participar o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Eduardo Botelho (DEM). A intenção é formalizar um pedido de negociação que seja, nas palavras da deputada, “digna para o servidor público”.
 
“Nosso objetivo é este. Tanto que pedi para imprensa filmar as pessoas, mostrando que não tem baderneiro. Temos pessoas que estão se comportando aqui. São pessoas que os governos que por aí passaram e o que ai está hoje, tratam como inimigo, o que vocês não são”, completou a deputada.
 
Janaína ainda acrescentou que “tenho dito para quem me para na rua que ninguém vê o outro lado da moeda. É difícil ver de um lado o servidor de um Poder, do mesmo nível que você, ganhando um salário tão superior, com vários auxílios e vocês não. Isto é inexplicável. A questão do Prodeic, os incentivos, é um absurdo e o povo não conhece esse lado da história”.
 
Por fim, a deputada também comentou para os presentes que “tínhamos um compromisso de que aconteceria o ‘Novo Fethab’ e ele viria para sanar o problema. Soube que ele já foi reduzido pela metade. Isso não vai resolver o problema de Mato Grosso mais uma vez. Aqueles que precisam contribuir e pagar imposto, não vão fazer. Se vocês não estivessem aqui, nenhuma negociação seria possível”.
 
Ocupação
 
Os servidores públicos de Mato Grosso ocupam desde cedo o prédio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Na noite de hoje, o parlamento retoma a votação de projetos de interesse do Executivo Estadual, como o que estabelece o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) somente quando tiver recursos em caixa.
 
A nova “batalha” pela RGA acontece após tensa sessão legislativa realizada na última quarta-feira (16), quando até mesmo gás de pimenta foi liberado no plenário e se espalhou pelo sistema de refrigeração da casa. Apesar de toda a mobilização e pressão dos servidores, o projeto do Executivo acabou aprovado em primeira votação.
 
Desta vez, o número de servidores que ocupam a AL é ainda maior que na semana passada. São centenas de profissionais de diversas secretarias, autarquias e empresas públicas que estão uniformizados e transitando pelo prédio do legislativo. Carros de som e trio elétricos também fazem parte da mobilização, onde líderes sindicais se revezam em discursos contra políticas de arrocho ao funcionalismo.
 
RGA e Fethab tramitam em regime de urgência, sob pedido do governo aprovado pela AL. Conforme o chefe do Executivo, os dois projetos são de suma importância para o equilíbrio financeiro do Estado, a qual ele classifica como caótico, desde que assumiu o Governo no dia 1° de janeiro.